Categorias
Uncategorized

A guerra na redução de mensalidades continua…

Gestão

O advento da pandemia da COVID-19 mudou radicalmente a forma como as relações sociais e econômicas acontecem. Do miúdo ao graúdo, quase tudo o que fazemos, estamos fazendo diferente. Houve uma rápida revolução de costumes, acelerada pela necessidade de adaptação ao desafio.

O mesmo ocorreu com o universo das escolas particulares. Todos os campos de gestão de uma escola, sem exceção, foram atingidos pela pandemia. Muitos capítulos poderiam ser escritos no que se refere às práticas que estão sendo desenvolvidas em resposta a essa nova realidade.

Um desses capítulos, talvez um dos mais importantes, é o das mensalidades. Logo no início da quarentena, quando foi anunciado o fechamento físico das escolas, teve início uma batalha acerca do assunto. Essa batalha evoluiu e se transformou numa guerra.

As escolas têm sido fortemente pressionadas pelos pais de alunos no sentido da redução do valor de suas mensalidades. É uma pressão que extrapola a questão do direito, repousando no campo da negociação comercial. Há famílias que foram atingidas economicamente pela crise e não suportam arcar com o valor das mensalidades enquanto sua renda não se recuperar. E há famílias – aqui, mais numerosas – que, mesmo sem queda expressiva de renda, entendem que a escola precisa baixar seus preços – seja porque teve seus custos reduzidos, seja porque ela precisa participar do esforço a que toda a sociedade está sendo submetida.

Ainda que a iniciativa dos pais seja plenamente compreensível, existem três questões sobre as quais, em geral, eles não estão devidamente informados

a) escola é um tipo de empresa em que existem quase que somente custos fixos; na média, o custo de uma escola se reduz de 3% a 5% com as aulas virtuais; 

b) ainda que tenha observado uma leve queda nos seus custos operacionais, as escolas estão vendo essa economia ser compensada e ultrapassada, de longe, pelas perdas oriundas da inadimplência, dos pedidos de descontos emergenciais e da redução da exploração das atividades extras; assim, o que à primeira vista é algo que beneficia o orçamento da escola, na verdade, está a prejudicá-lo; 

c) as escolas trabalham com margens de lucro muito estreitas – a média não chega a 10% da receita; com o aumento expressivo na inadimplência, certamente o tal “espaço para colaboração da escola com o sacrifício comum” é bastante restrito.  

Os motivos acima expostos explicam a relutância da maioria das escolas em atender aos pedidos dos pais, no que se refere a concessão coletiva de descontos. Mesmo assim, temos observado que um número crescente de escolas tem acabado por ceder. Isso se explica por dois motivos

a) a perda de força da escola na relação com os pais de alunos da educação infantil, curso em que, notadamente, tem havido sérias dificuldades em manter, de forma virtual, a qualidade do ensino presencial; 

b) a possibilidade de utilização da Medida Provisória 936, conhecida como MP do Emprego, que permite redução de custos através de cortes de jornadas e suspensão de contratos de trabalho. Estudar as possibilidades de utilização das prerrogativas previstas nessa MP tem sido uma ação cada vez mais frequente nas escolas – até porque é possível fazer isso sem que os funcionários percam nada. A MP transformou, na prática, o principal custo fixo das escolas em custo variável. Utilizar corretamente essa possibilidade pode ser uma grande chave para o sucesso nesse momento de relação tão delicada com os pais.

Por fim, o Sistema Piaget deixa aqui uma observação que vale para os dois lados, escola e pais: qualquer que seja a estratégia adotada, ela só terá sucesso se ambas as partes estiverem abertas ao diálogo e tiverem a compreensão de que o momento está sendo muito difícil para todos. O momento é de estreitar relações e não de abalá-las.

Por Fernando Barão, economista formado na USP e diretor da Corus ConsultoresFonte: https://revistaeducacao.com.br/2020/05/02/covid-mensalidades-escolares-art/

Receba nossa newsletter!